Nesse mês de junho teremos uma chuva de meteoros acontecendo durante o dia, a Arietídeas, ou, com a nomenclatura em latim, Arietids. E teremos também a expectativa de observar uma chuva que não é vista todos os anos, a Bootids, ou Bootídeas, de Junho.

As chuvas de meteoros acontecem quando a Terra cruza o rastro deixado por um cometa ou asteroide. Como a órbita da Terra é muito bem conhecida e as órbitas de muitos cometas e asteroides também, é possível prever quando uma chuva de meteoros vai acontecer. Não conseguimos, entretanto, prever com exatidão se teremos muitos ou poucos meteoros em uma chuva.

O nome da chuva de meteoros é dado de acordo com a constelação em que se encontra o radiante, ou de acordo com uma estrela muito próxima a ele. Esse ponto no céu é a fonte dos meteoros observados, como as gotas de água saindo de um borrifador. O radiante das Arietids aparece na constelação de Áries e das Bootids na constelação de Boötes, ou Boieiro, onde encontramos também a brilhante estrela Arcturus. A chuva chamada Alpha Centaurids, que ocorre entre janeiro e fevereiro, tem radiante próximo à estrela mais brilhante da constelação do Centauro.

Representação da localização do radiante da Arietídeas. (Fonte)

Representação da localização do radiante da Arietídeas. (Fonte)

A Arietídeas, por ser uma chuva diurna é muito difícil de ser observada sem algum equipamento. Desde 1947, quando foi observada pela primeira vez, ela tem sido detectada por observações com radar. Mas, é a chuva diurna com maior taxa de meteoros, cerca 60 por hora. A máxima atividade é prevista para 8 de junho, mas, como toda a chuva de meteoros, já podemos observar sua presença vários dias antes e continuamos a observar vários dias depois. Arietídeas pode ser detectada aproximadamente de 22 de maio até 7 de julho.

A taxa de meteoros em uma chuva é dada por um índice estatístico referenciado por ZHR, sigla do inglês zenihtal hourly rate, que pode ser traduzido como taxa horária zenital. Ela mede quantos meteoros poderiam ser visto por um observador que estivesse com o radiante no zênite, o ponto no céu bem acima de sua cabeça, e em uma região sem poluição. O zênite é sempre a melhor posição no céu para se observar qualquer coisa, portanto o ZHR mostra uma aproximação para uma situação ideal. Quato mais próximo do horizonte estiver o radiante, menos meteoros serão vistos. E mesmo na situação ideal de você estar com o radiante bem em cima da cabeça, numa região com o céu mais limpo possível, o ZHR é uma estimativa com base nas últimas observações da chuva.

A outra chuva que nos chama atenção esse mês é a Bootídeas de Junho, que pode ser detectada entre 26 de junho e 2 de julho. Seu ZHR é que apenas 1 ou 2, mas houve um comportamento estranho em 1998 quando essa chuva mostrou até 100 meteoros em uma hora. Essa é uma chuva bastante incerta, portanto, pode ser tanto uma decepção como uma grande surpresa.

Foto de geminídeas em Monument Valley, Estados Unidos da América, em 2007 (Fonte: http://antwrp.gsfc.nasa.gov/apod/ap091212.html, Créditos: Wally Pacholka - AstroPics.com, TWAN - http://www.twanight.org/)

Foto de geminídeas em Monument Valley, Estados Unidos da América, em 2007 (Fonte: APOD, créditos: Wally Pacholka – AstroPics.com, TWAN)

Leia Mais:

(em inglês) http://meteorshowersonline.com/showers/daytime_arietids.html