DREYER

Johan Ludvig Emil Dreyer (13/02/1852 – 14/09/1926)

Catálogos astronômicos são ferramentas fundamentais para identificarmos e nomearmos objetos celestes. NGC é a sigla de Novo Catálogo Geral, do inglês, New General Catalog, uma coleção de códigos que identificam galáxias, nebulosas e aglomerados estelares com suas respectivas posições no céu e algumas características.

O responsável pela criação do NGC foi Johan Ludvig Emil Dreyer (na foto ao lado). Nascido na Dinamarca, mudou-se para a Irlanda em 1874, onde trabalharia com o telescópio que ficou conhecido como o Leviatã de Parsonstown. Esse era o maior telescópio da época, e continuaria sendo até 1917.

Devido à sua grande abertura, o Leviatã de Parsonstwon permitiu que se observassem muitos objetos pouco luminosos, como galáxias e nebulosas. Aqui vale lembrar que na época da elaboração dos primeiros catálogos, não se conhecia a diferença entre galáxias e nebulosas como conhecemos hoje. Galáxias e nebulosas eram chamadas apenas de nebulosas.

Os catálogos que haviam na época eram o Messier, elaborado por Charles Messier, e o Catálogo de Nebulosas e Aglomerados de Estrelas, criado por John Herschel. O catálogo de Herschel era conhecido apenas como GC, da sigla em inglês de General Catalog, em português, Catálogo Geral. Poucos anos após a publicação do GC, muitos novos objetos já haviam sido descobertos, e era difícil saber se um novo objeto era de fato novo, ou já havia sido observado antes.

Dreyer reuniu e comparou diversas fontes de listas de objetos observados. Somou a isso suas próprias observações e publicou, então, um suplemento ao GC com 1000 novos objetos, em 1878. Mais tarde, em 1886, ele sugere ainda um outro suplemento, quando a Sociedade Astronômica Real o convida a compilar um novo catálogo. Em 1888, Dreyer lança o Novo Catálogo Geral de Nebulosas e Aglomerados de Estrelas, que ficou conhecido como Novo Catálogo Geral, ou NGC, da sigla em inglês. Listava cerca de 8000 nebulosas (algumas, hoje, sabemos que são galáxias) e aglomerados estelares. Mais tarde, o NGC seria ainda expandido com o lançamento dos Index Catalogues I e II, que lhe acrescentariam cerca de 5000 novos objetos. Esses suplementos ficaram conhecidos apenas como IC.

Existe atualmente um projeto que visa refinar as posições de muitos objetos do NGC com tecnologias observacionais mais modernas, e corrigir outros eventuais problemas. Parece, por exemplo, que alguns registros apontam para sistemas múltiplos de estrelas, que não fazem parte do escopo do catálogo. Esse projeto é o The NGC/IC Project, e mais informações estão disponíveis em seu site: http://www.ngcic.org/.